QUE A VERDADE PREVALEÇA!

QUE A VERDADE PREVALEÇA!

JORNADA DE ORAÇÃO – 1ª SEMANA
QUE A VERDADE PREVALEÇA!
Embora muita gente “embarque” nessa história do “Dia da Mentira”, poucos sabem por qual razão esse dia é assim considerado.
.

 JORNADA DE ORAÇÃO – 1ª SEMANA

QUE A VERDADE PREVALEÇA!
Embora muita gente “embarque” nessa história do “Dia da Mentira”, poucos sabem por qual razão esse dia é assim considerado. 
Dizem que essa “brincadeira” iniciou-se na França, no reinado de Carlos IX. Até ali, comemorava-se o ano novo no dia 25 de Março, com a chegada a primavera no continente europeu, e a festa estendia-se até o dia 1º de Abril. Animados bailes adentravam a noite e havia troca de presentes neste dia. 
Porém, em 1562, o papa Gregório XIII instituiu um novo calendário no mundo cristão (‘calendário gregoriano’), iniciando-se o ano em 1º de Janeiro. 
Os franceses insistiram em comemorar o ano-novo em 1º de Abril, alguns por resistirem à mudança, outros por a ignorarem, outros por esquecerem-na.
Devido a esse apego ao seu antigo calendário, o povo francês começou a ser ridicularizado, e apelidado de “bobos de abril”. Na época, presentes estranhos eram enviados aos franceses, bem como convites para festas inexistentes. Aos poucos, a galhofa espalhou-se por todo o país; cerca de 200 anos após, migrou para a Inglaterra, e daí para o mundo.
No Brasil, a brincadeira foi adotada no periódico “A MENTIRA” (1º de Abril de 1848), noticiando o falecimento de D.Pedro, e só desmentindo o ocorrido no dia seguinte; a brincadeira tomou vulto, e tradicionalmente, até hoje, famílias inteiras aderem a “pequenas” e “inocentes” mentiras, crianças pregam peças, e a maioria das pessoas orgulha-se disto. 
Mas a mentira pregada na data é muito mais que uma brincadeira inocente; na verdade, não há mentira inocente ou inofensiva, seja ela qual for. Toda mentira é gerada pelo diabo, que é o seu pai (Jo.8:44).
A mentira tem enredado a muitos “filhos de Deus”, que entregam-se a ela sem qualquer discernimento, que a proferem como se houvesse a possibilidade de, de seus lábios, saírem dois tipos de água – salgada e doce (Tg.3:10-11). 
Mas a maior mentira na qual muitos cristãos envolvem-se é aquela que vivem: a distorção da Palavra de Deus, o afastamento do real Evangelho de Jesus Cristo e o aprisionamento nas garras de Satanás, pois lhes servem com suas vidas, fazem uso da Palavra de Deus e vivem “meia-verdade”, transformando a verdade de Deus em mentira, até porquê não existem meias-verdades: meias verdades são mentiras absolutas. 
Então, nas mentiras que nos são apresentadas por Satanás, optamos por acreditar ou não, porque, sempre que confrontados com paradigmas, diante das crises existenciais e sociais; diante dos desafios que se nos apresentam, teremos sempre, a todo tempo, sob qualquer tema, a fiel Palavra, e Ela será sempre “Lâmpada para os nossos pés, e luz para o nosso caminho” (Sl.119:105) e, como declara o salmista: “A tua Palavra é a verdade, desde o princípio, e cada um dos teus juízos dura para sempre” (Sl.119:160).
Vivemos sob a mentira e a pregamos quando buscamos desesperadamente a perfeição, sob o argumento que ela é uma forma de nos aproximarmos de Deus. Isso resulta em maior afastamento de Deus, porquê todos os seres humanos têm suas limitações, por mais que se esforcem para não tê-las. 
Consequentemente, seremos levados a outra grande mentira: a busca pela aprovação de todas as demais pessoas e, quando não o somos, frustramo-nos.
A mentira nos enlaça quando sublimamos os problemas, e não os enfrentamos, seja com a desculpa de que estamos orando por eles, seja porque alegamos que eles estão nas mãos de Deus – o resultado disso, à menos que se tenha uma orientação divina muito específica sobre tal, é a frustração, pois os nossos problemas se resolverão quando aprendermos a encara-los de forma bíblica e madura, tendo atitudes coerentes e ponderadas, participando deles ativamente.
Vivemos sob a mentira quando reputamos às coisas e às conquistas o caminho da felicidade, como se a fonte da felicidade estivesse nelas. Na verdade, como resultado, teremos um vazio d’alma, uma busca desesperada por mais coisas e vivenciaremos aquilo que Jesus chama de “solicitude pela vida”. 
Somos confrontados pela mentira quando não reputamos à Palavra de Deus o grau de verdade absoluta, e a relativizamos, esquecendo-nos de que este foi um método que Satanás usou para enganar o homem, induzindo-o a interpretações diversas daquilo que Deus afirmara. 
Vivemos na nuvem da mentira quando acreditamos que Deus abrirá uma exceção no nossos episódios pecaminosos e, mesmo quando não nos arrependermos, Ele relevará os nossos pecados, as nossas más condutas, e não responderemos por tal, e tudo passará em brancas nuvens. O apóstolo Paulo adverte aos gálatas: “De Deus não se zomba: tudo o que o homem semear, isso também ceifará” (Gl.6:7). 
Enfim, existem inúmeras outras mentiras criadas pelo diabo e disseminadas e vivenciadas pela igreja de Cristo, e que precisam serem desmascaradas, a fim de que vivamos plenamente a liberdade conquistada por Jesus na cruz do Calvário, porque a verdade liberta, e o contrário disto, a mentira, nos aprisiona e mutila, fazendo com que vivamos na mediocridade e não atinjamos a potencialidade de uma vida cristã arraigada em Deus e em Sua santa Palavra. 
Nestes próximos dias, nós, membros da PIB TRINDADE, oraremos para que a verdade prevaleça, seja ela em nossa vida pessoal, seja ela na nossa vivência familiar. O importante é que estejamos ávidos por sermos “santificados na Palavra de Deus, porque a Palavra de Deus é a verdade” (Jo.17:17). 
Engaje-se nessa batalha travada contra a mentira, seja ela de pequeno ou de grande porte. Separe esse tempo de oração nestes dias 1 e 2 de abril, e que a verdade do Senhor prevaleça em nossas vidas, conscientes de que a revelação da verdade se dá, prioritariamente, pela Palavra de Deus. Que, aos buscarmos a verdade, Ela nos liberte (Jo.8:32).

Boa caminhada. Que Deus o abençoe. 
.

Pr. Carlos Alberto

PIB Trindade